16 novembro 2008

SOBRE O ENTUSIASMO

Minoridade para Kant e Foucault

Através da maneira pela qual Kant coloca a questão da Aufklärung – esta, lembremo-nos, é a saída do homem do estado de minoridade, ou de dependência infantil, da qual o próprio homem é responsável, e tem por divisa Aude sapere, “tenha a coragem de pensar por si mesmo” -, ele descobre o esboço de uma “atitude” totalmente nova. Por “atitude”, entende um certo “modo de relação com a atualidade” (Foucault, 1994f, p. 568), que não é o do espectador, mas o de um sujeito ator do presente do qual ele faz parte [início da pág. 5] (Foucault, 1994g, p. 680). Segundo Foucault, Kant é o primeiro filósofo que problematiza sua atualidade, para definir nela o modo de ação do seu discurso. A atitude crítica é portanto indissociável de uma “ontologia do presente” (Foucault, 1994g, p. 687): o que, no presente, tem sentido para aquele que fala dele? O que o constitui, não como momento fugaz, mas como acontecimento que deve ser pensado?
Este acontecimento, segundo Kant, não é somente o da Aufklärung, mas igualmente o da Revolução. Foucault vê em O conflito das faculdades, escrito por Kant em 1798, a continuação do artigo de 1784. Nele Kant coloca a seguinte questão: “Há um progresso constante para o gênero humano?”

E eu pergunto:

O sucesso é a capacidade de enfrentar as falhas sem perder o entusiasmo?


Continue lendo no link acima.

3 comentários:

Ale Valentim disse...

Sucesso. Creio que essa eh uma palavra perigosa... de partida percebe-se que o conceito Americano de sucesso eh o mais presente nas mentes das pessoas: sucesso eh conquistar, eh ter isso e aquilo, eh alcancar o reconhecimento no trabalho e ser bem remunerado por isso. Soh nessa premissa milhares, alias bilhares de seres humanos sao eliminados do Hall of Success. Por nao podermos entrar nesse clube - nao ha lugar para todos afinal os recursos sao limitados - vamos, de forma timida, criando nosso conceito individual de sucesso com muito esforco de convencimento, afinal temos de explicar esse nosso novo conceito de sucesso ao atonito interlocutor que nos ouve afirmar que 'Sim, somos um sucesso' a despeito de nossas roupas velhas e aparencia de desalinho.

Ale Valentim disse...

Agora visitemos 'entusiasmo': segundo Houaissis, exaltação do espírito, comoção profunda da sensibilidade...
Pelas definicoes entendo que eh um sentimento especial, um estado no qual se entra e se sai. Nao um constante fluxo de energia que sai do nossos corpos e entra em alguma producao (trabalho fisico ou intelectual).
Evidentemente todos conhecemos alguem que eh assim, entusiasmado por natureza (ele, obviamente, deve ser um sucesso!) mas dai a pressupor ou esperar que todos adotem essa postura - ou pior, almejem isso sob pena de nao serem ou terem o que quer que seja... olha, isso me arrepia os pelinhos. Vivemos numa ditadura calada, tacita, num acordo que nunca contratamos mas que 'compramos' com naturalidade desde que saimos dos cueiros. Ou seja, nesse momento em que estamos, historicamente, "ser normal nao eh normal". Ha que se atingir o sucesso, e com entusiamo.
Me rebelo.

Cesar Kiraly disse...

Oi meu amigo,

um outro iluminista, do qual sabe que eu gosto muito, chamado David Hume, não gostava nem do entusiasmo e nem da superstição, as quais ele fazia opostas. Sou cético demais para acreditar no sucesso.

Um forte abraço,

Cesar Kiraly