28 agosto 2007

PERSONALIDADES NARCÍSICAS



Por Raquel Morató de Neme

Nas últimas décadas, as personalidades narcísicas e as organizações fronteiriças da personalidade tem chamado a atenção dos psicólogos e também dos sociólogos. Mas no ano de 1922 Freud havia analisado uma paciente narcísica durante alguns meses..

Eco e Narciso (1903) por John William Waterhouse.

Soubemos desta análise pela correspondência entre Freud e Jones publicada por Paskauskas em 1993 e citada por Kris (Kris, A. 1995). Esta paciente esteve em análise entre 1916 e 1921 com Jones, que a conduziu a Freud. Na dita correspondência ambos analistas examinam alguns problemas no tratamento de pacientes narcísistas.

O CASO DE FREUD

Numa carta a Freud de janeiro de 1922, Jones a descreve como uma paciente "com o maior narcisismo imaginável… extraordinariamente inteligente… subestimando suas reações emocionais incontroláveis". Jones comunica que a partir de seu segundo matrimonio (o de Jones), começou a torturá-lo tanto na análise como no trabalho, no qual às vezes se viam. Se bem que seus sintomas haviam melhorado muito: "podia falar numa reunião quando antes ficava muda pela angustia" finalmente o tratamento se interrompeu visto que Jones não resistiu, a pesar de suas intenções, a intensa transferência negativa. Foi por isso que Jones pediu a Freud que a tomasse em tratamento. A paciente se muda para Viena e começa a análise Freud em meados de fevereiro.

Nesta correspondência entre Freud e Jones, Freud descreve que se trata de uma paciente onde o mais importante é seu problema narcísico. "Nossa teoria não conseguiu dominar, todavia o mecanismo destes casos. Parece provável que a formulação de um ideal elevado e severo apareceu Numa idade muito jovem, mas este ideal foi represado, "recalcado" no começo da maturidade sexual e desde então trabalha na obscuridade. Sua [da paciente] liberdade sexual pode ser aparente, a manutenção da qual requer aquelas atitudes conspícuas e compensatórias como a arrogância, o comportamento majestoso, etc."

Leia o texto original aqui...


Um comentário:

Cesar Louis Kiraly disse...

Rogério,

gostei muitíssimo do artigo. Obrigado pela postagem, alguns autores utilizados pela autora do artigo estão me sendo muito úteis para pensar as minhas próprias questões. Um abraço,

Cesar