07 agosto 2008

FREUD EXPLICA RESPONDE: O AFETO E O LUGAR DO ANALISTA

Luciana Amanda Valente pergunta:

Sempre ouvi falar que a psicanálise trata dos afetos de seus pacientes. Eu gostaria de saber como Freud tratava essa questão com os seus pares? As brigas com Adler e Jung, por exemplo.

FREUD EXPLICA RESPONDE

Ao tentar responder a pergunta: o que é o afeto na psicanálise, eu me defrontei com algumas questões que me conduziram a pensar o afeto, não em termos metapsicológicos, como quer o Assoun, mas do modo como o afeto circula nas relações que implicam no lugar do analista.

Já foi dito que o afeto precisa do corpo para se manifestar, ou ainda que o afeto seja a pulsão investida no corpo, logo o corpo é o lugar onde o afeto se manifesta.

Por ai, tomei um certo trabalho de Daniel Kupermann, quando escreveu um artigo “O psicanalista, esse teimoso...”, ele tenta traçar alguma coisa do que pretendo trazer aqui, ao tratar o debate entre Freud e Ferenczi acerca do lugar do analista, além de tentar analisar as questões da transferência negativa e da amizade.

Daniel ao citar o artigo de Freud “A história do movimento psicanalítico” foi fazer uma ponte entre as questões postas por Adler e Jung no que dizia respeito ao lugar do analista e o que poderia ser fruto, tanto das resistências, quanto dos efeitos da transferência negativa para com ele, Freud, e apontou duas importantes indicações: 1) a fusão da pessoa de Freud com o lugar do analista de todos - mítico ou mesmo real - que ocupava no movimento psicanalítico; 2) a dificuldade com que Freud recebe o que chamou de “manifestações de ódio” por parte de seus seguidores, discípulos e analisandos, ou seja, o que constitui a dimensão da transferência negativa.


Este artigo me chamou a atenção pela curiosa epígrafe que Freud escolheu para “A história do movimento psicanalítico” de 1914, “fluctuat nec mergitur” que se encontra no brasão da cidade de Paris. O brasão representa um navio e a tradução para o emblema pode ser: “as ondas o abalam, mas não o afundam“.

Também a psicanálise pode ser abalada, mas não se afundará, ou quem sabe, o próprio Freud.

É neste artigo que Freud nos indica, que tanto Adler, quanto Jung, não apenas discordavam dele em questões psicanalíticas, mas também divergiam nos pressupostos teórico-clínicos ou institucionais e políticos que definiam o campo psicanalítico.

Em relação a Adler, Freud chegou a declarar que “jamais me recusei a reconhecer a sua rara capacidade, associada a uma inclinação particularmente especulativa (...) essa luta de Adler por um lugar ao sol teve, no entanto, um resultado benéfico para a psicanálise”. (pag. 64) É claro que o que Freud pretendia era deixar claro a quem pertencia o lugar ao sol. Mas Adler finalmente cortou todas as ligações com a psicanálise e fundou o que chamou de “Psicologia Individual” que na visão de Freud, o alinhava definitivamente com os opositores da psicanálise o ficando à vontade para declarar: “há bastante espaço nesse mundo de Deus, e todos têm o direito de perambular nele sem serem impedidos; mas não é conveniente que pessoas que deixaram de se compreender e se tornaram incompatíveis permaneçam sob o mesmo teto”.

O que Freud chamou de “deserção de Adler”, ocorreu antes do congresso de Weimar em 1911.

Com Jung a coisa não foi muito diferente, as modificações propostas por ele foram entendidas por Freud como o que chamou de “a faca de Lichtenberg”, ou seja, não basta pegar o cabo e colocar uma lâmina nova e gravar nele o nome para que seja considerado um instrumento original.

No final deste artigo Freud conclui: “os homens são fortes enquanto representam uma idéia forte: se enfraquecem quando se opõem a ela. A psicanálise sobreviverá a essa perda e a compensará com a conquista de novos partidários. (...) quero expressar o desejo de que a sorte proporcione um caminho de elevação muito agradável a todos aqueles que acharem a estada no submundo da psicanálise desagradável demais para o seu gosto. E possamos nós, os que ficamos, desenvolver até o fim, sem atropelos nosso trabalho nas profundezas”.

Este texto foi escrito em fevereiro de 1914 e possivelmente Freud tinha uma preocupação com o futuro da psicanálise e estaria pensando em alguns nomes para seu substituto. Sem dúvida Ferenczi era um nome forte, mas é provável, segundo Roazen, que Tausk também figurasse neste páreo.

O jovem Victor Tausk, cerca de seis anos antes desse período era um jornalista que se tornara Doutor em Direito e se encantara com uma conferencia de Freud, decidindo estudar medicina para tornar-se psicanalista entre 1908 e 1914. Em 24 de novembro de 1909, Tausk apresentou o seu trabalho: “Teoria do conhecimento e psicanálise” ao círculo de Freud. Este foi apenas o primeiro de uma série de quinze trabalhos que foram produzidos e publicados por ele até a sua morte em 1919.

Talvez um dos mais importantes episódios da vida de Tausk tenha sido o seu envolvimento amoroso com Lou Andreas-Salomé (1912-1913), pois será através dela que Freud terá mais tarde informações sobre o percurso de Tausk na psicanálise.

Lou que anos antes já havia recebido uma proposta amorosa do filósofo Nietzsche e que já privara também da intimidade do poeta Rilke, quando chegou ao círculo de Freud para aprender psicanálise, dificilmente se contentaria com a nulidade. O que parece é que já que não poderia ter o próprio Freud, teria Tausk, que sem dúvida nenhuma era o segundo da sua lista, embora Roazen indique que também Freud tinha interesse por ela, mas nunca o tivesse manifestado.

O que me chama a atenção no percurso de Tausk é como ele lida com o lugar do analista que produz novas idéias e contribui para o desenvolvimento da psicanálise e sem dúvida o seu maior trabalho foi “Sobre a origem do ‘aparelho de influenciar’ na esquizofrenia”.

Freud, durante seus encontros com Lou, ao trata-se de Tausk, por muitas vezes declarou que este seria o mais destacadamente brilhante de seu círculo. Não é atoa que no obituário de Tausk - o maior de todos - ele acrescentou: “Todos aqueles que o conheceram bem valorizavam o seu caráter franco, sua honestidade consigo mesmo e com os outros e a superioridade de uma natureza que se distinguia por um empenho pela nobreza e pela perfeição. (...) ninguém (...) poderia fugir à impressão de que ali se encontrava um homem de importância (...). Ele assegurou uma lembrança honrosa na história da psicanálise e de sua primeiras lutas” (Freud, SE Vol 17 pag. 275)

Do ponto de vista de Tausk, não era bem assim que as coisas aconteciam. Ele era ágil no desenvolvimento de suas idéias e muitas vezes deixavam Freud para trás. Freud demorava mais para concluir uma idéia. Nem mesmo Roazem deixou claro o motivo pelo qual Freud não quis analisar Tausk e o enviou para ser analisado por Helene Deutsch. O fato mais interessante, é que de qualquer maneira Tausk fazia analise com Freud através de Helene e menos de três meses depois obrigou Helene a interromper a analise de Tausk. Estes fatos aconteceram na seguinte ordem: novembro de 1918, Freud recusa-se a analisar Tausk e manda-o a Helene; janeiro de 1919 Tausk entra em analise com Helene, março de 1919 Freud manda Helene interromper a analise de Tausk e 3 de julho do mesmo ano Tausk comete o suicídio.

O curioso é que neste mesmo ano (1919) ocorre o fim da primeira guerra, Freud manda para publicação e seu texto “Das Hunheimliche” que já havia sido escrito há pelo menos três anos.

Tomar o texto neste contexto é colocá-lo no mínimo, junto das questões que estão postas por se tratar de lugar, domus, domesticado ou lugar familiar. Freud fala do efeito do estranho na loucura e eu quero me aproveitar deste trecho como mais uma provocação para pensar o lugar do analista, ele fala: “o efeito estranho da epilepsia e da loucura tem a mesma origem. O leigo vê nelas a ação de forças previamente insuspeitas em seus semelhantes, mas ao mesmo tempo esta vagamente consciente das forças em remotas regiões de seu próprio ser. A idade média atribuía, com absoluta coerência todas essas doenças à influência de demônios e, nisso, a sua psicologia era quase correta. Na verdade não ficaria surpreso em ouvir que a psicanálise, que se preocupa em revelar essas forças ocultas, tornou-se assim estranha para muitas pessoas, por essa mesma razão”.

Ora, se o lugar do analista não é, desde Freud, o lugar do afeto, penso que seria difícil entender como o afeto e a representação podem ser designados com “representantes da pulsão”. Diz Freud em “O Inconsciente”: “se a pulsão não se ligasse a uma representação, ou se não viesse à luz como estado de afeto, nada poderíamos saber sobre ela” e Assoun conclui que “o afeto figura, pois, como ‘manifestação’, ao lado do laço representacional, como acesso à pulsão. Logo, o afeto é a pulsão na medida em que ele “emerge”.

Daí, eu concluir que se o psicanalista não se afeta com o discurso que circula no setting, numa posição de mero testemunha, ele estará correndo o risco de fazer qualquer coisa que não é psicanálise.

3 comentários:

Cesar Kiraly disse...

Oi querido amigo,

gostei do seu ensaio. Mas vim para falar de outra coisa. Olha isso, não é muito Gradiva? Se bem, que nessa caminhada dos afetos, a coisa veio coerente.

tudo aquilo que me planta nos pés.
me cresce em raízes, até, no osso.
se meus pés não têm raízes.
sinto as raízes dos seus. como se fossem.
em brasa. alguma coisa que marca.
a doçura dos pés descalços.
e se eu fosse mulher. o que não seria. andaria.

Suly disse...

Estudando a Historia do Desenvolvimento da Psicanalise, deparei logo no inicio :“A história do movimento psicanalítico” de 1914, “fluctuat nec mergitur” que se encontra no brasão da cidade de Paris. O brasão representa um navio e a tradução para o emblema pode ser: “as ondas o abalam, mas não o afundam“.
Fiquei deveras intrigada, pela frase "As ondas o abalam, mas não o afundam".A partir dessa notoria, me perguntei o porque que Freud,usou essde termo,logo no principio.Entendi que ele era o Navio, (A psicanalise) por ele desenvolvida ,nunca afundaria, apesar das contantantes divergenciais dos seus "amigos" e afetos.Ele era um pesquisador nato, e se dedicava de corpo e alma para atingir seus objetivos, e dependia tambem das opinioes e sugestoes dos outros, mas quando começaram as divergencias, ele entrou no seu "Navio". e seguiu rumo aos horizontes.
Abraços .

Sandra Silva disse...

Sobre o tema o navio abalou com as ondas do mar mas não afundou
A meu ver é que são tantas as vezes que nos sentimos abalados com situações que divergem da nossa natureza é que quando nos perseveramos e procuramos entender os quais a situação em si conseguimos manter o navio sobre a superfície das ondas mesmo bravas mesmo estando de gaiato em alguma situação a gente toca o navio e espera as ondas acalmarem para seguir em frente